terça-feira, 22 de novembro de 2016

Nós tínhamos

Nós tínhamos a inocência dos apaixonados, a  loucura dos amantes e o benefício da aprendizagem a adquirir pelo caminho.

Nós tínhamos a beleza da juventude, o otimismo dos que creem que ainda há muito o que fazer e a dádiva de não temermos a falta de tempo.

Nós tínhamos estratégia, metas, objetivo e acima de tudo, tínhamos um belo plano.

Nós tínhamos tudo. Um plano, tempo, caminho e sentimento. Só não tivemos a maturidade de nos enxergarmos.

É incrível o quanto podemos ser nocivos. Podemos deixar inúmeras marcas, mas parece que as marcas negativas deixamos com mais facilidade. É estranho, mas fazer mal a nós mesmos parece mais leve, mais natural do que nos fazermos bem.

Quando penso que nós tínhamos tudo e não tivemos a competência de ao menos nos deixarmos sem nada, bate um desespero.

Penso  que é preferível não ter nada a ter mágoa, revolta, indiferença e frustração.

Cogitar o vazio do "nada" chega a ser reconfortante ante a realidade de que nós tínhamos tudo e não fomos capazes sequer de nos manter no nada.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Confissão

Eu tenho medo do medo que sinto.
Medo de dizer isso em voz alta.
Eu tenho medo da solidão.
Medo de admitir que gosto mais de ficar sozinha, mas que não quero acabar sozinha.
Eu tenho medo de parecer forte demais quando na verdade sou frágil e só quero ser cuidada.
Medo de chegar lá  na frente e achar que não vivi a vida do jeito certo, que poderia ter sido mais feliz, mais plena.
Eu tenho medo de fazer errado achando que estava certa.
Medo de não ter humildade para reconhecer que errei e sabedoria para pedir desculpas.
Eu tenho medo das doenças que chegam sem avisar e não vão embora sem deixar marcar.
Medo da idade biológica chegar mais rápido do que as próprias rugas.
Eu tenho medo desta certeza gritante de que fiz grandes escolhas erradas.
Medo do fato de persistir nestes erros tão nítidos e idiotas.
Eu tenho medo do tempo. Como eu tenho medo do tempo!
Medo de que por ter tanto medo da sua passada rápida eu acabe ficando parada aqui sem fazer nada.
Eu também tenho medo da violência,  da crise e do caos cotidiano.
Mais eu tenho mais medo do abismo dentro de mim.
Eu tenho medo da morte, principalmente por ela me lembrar que pode tirar de mim aqueles que amo.
Medo da total falta de oportunidade que nos deparamos quando chegamos ao fim, mesmo sem querer.
Eu tenho medo de perder toda a audição e nunca mais me deixar levar pela emoção de uma melodia.
Medo de não poder ouvir o eu te amo daquela pessoa especial.
Eu tenho medo das curvas muitos fechadas.
Medo de cair dos saltos muito altos.
Eu tenho medo de admitir em voz alto que eu não te amo e talvez nunca tenha amado.
Medo de admitir que mesmo sendo ilusório,  o desejo por alguém que não existe é o sentimento mais vivo que arde em mim na última década.
Eu tenho medo do ódio do muito.
Medo da raiva que eu não controlo em mim.
Eu tenho medo de não ser o que as pessoas que eu amo esperam que eu seja.
Medo de falhar comigo mesma.
O que eu não tenho é calma.
Não tenho paz.
Eu não tenho equilíbrio.
Não tenho você e, definitivamente, não tenho nem a mim mesma.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Angústia

Quer tocar, mas não alcança.
Tenta sentir, porém não pode.
Ousa encarar e não é vista.
Suplica em silêncio por atenção. Só  a indiferença aos berros lhe responde.
Deseja luxúria. Recebe de volta a vaidade.
Convive com a ira. Não administra a gula.
Transborda de amor. Derrama-se em solidão.
Identifica-se por um nome. Reconhece-se por outro.
De tanto tentar achar se perdeu em si mesma. Por saber onde estava o que queria nunca pode alcançar.
Por insistir em esquecer o que nunca existiu, seu coração nenhum dia sequer deixou de lembrar.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Você

Minha cabeça tem andando confusa, dispersa, vagando entre o que acha que é real e o que acha que é imaginário. É incrível como mesmo diante dos olhos a realidade ainda que cruel possa ser ludibriada por um sentimento de esperança alimentado por um amor doentio.
Doentio?
É. Doentio!
Não posso mais dizer que esse sentimento, mesmo que amor não seja o nome mais adequado para ele, possa ser qualificado como saudável. Esse sentimento dói, me machuca, me sufoca, me massacra, me destrói de diversas formas possíveis e até inimagináveis.
Quando penso que superei você, a vida vem e me mostra que não. Quando desisto de te superar, forças superiores me mostram que não sou eu quem devo escolher o momento para isso e agora quando acho que tudo e todos decidiram deixar minha vida seguir, você mesmo decide fazer com que eu me lembre que ainda há algo bem intenso e muito vivo aqui dentro de mim.
Sinceramente, não sei mais o que eu vejo ou o que eu imagino. Não distingo o que é sensato ou insano. O pior é que não sei se estou perdida assim pela irrefutável constatação de que você é tão ruim e comum como qualquer outro ou pelo fato do que sinto se manter inabalado mesmo diante de tamanha decepção.
Eu fiquei decepcionada, devo confessar. Estou com raiva. Muita até. Isso abalou minha autoestima, mais uma coisa a confessar aqui, com as palavras. Afinal, as palavras ainda são um bom refúgio. Nelas continuo a nos tratar como um “nós”. Nas palavras nós existimos e nelas eu encontro até o alívio do desabafo. Quem sabe um dia eu encontre a habilidade para nas palavras fazer com que nós dois possamos, ao menos, literariamente, nos dar prazer.
Hoje, não. Minha autoestima ainda está abalada. Ainda estou a pensar que se tu pecas como os outros, qual o motivo de nunca ter pensado sequer pecar comigo?
Não sou boa o suficiente? Magra? Gorda? Alta? Baixa? Real? Será que você me nota?

Na verdade, eu tenho essa resposta. Para você, eu simplesmente não sou.